5 de setembro de 2013

Nota de Repúdio



Nós, moradores e moradoras da ocupação Vila do Boa, São Sebastião-DF, vimos a público repudiar com veemência a  infeliz e mentirosa reportagem veiculada pelo telejornal DF Record, da Rede Record de Televisão, que se utiliza de métodos baixos para atribuir a mais de 130 (cento e trinta) famílias  a culpa pela suposta ocorrência de atos de violência e bandidagem em um condomínio que se avizinha à Vila.

É fato cada vez mais comum assistirmos nos últimos tempos a uma vergonhosa falta de profissionalismo acarretada principalmente pelo baixo nível de qualidade das informações veiculadas nos telejornais, marcada pela falta de coerência e ética no desempenho de um ofício tão louvável quanto útil à sociedade – o jornalismo, o verdadeiro jornalismo.

Hoje, não é bem isso que se ouve e se ver. O que temos de fato é um sistema que trabalha mais para desinformar que propriamente informar. A lógica se inverteu e já não se tem mais um jornalismo verdade a serviço da informação íntegra e confiável. Esta, agora, é corrompida, forjada, distorcida e notoriamente obrigada a atender os interesses e conveniências de determinados segmentos da sociedade.

Assim, assistimos a uma acirrada busca por todo e qualquer fato que cheire a polêmica e ibope – uma espetacularização banal da vida comum, marcada pela célere corrida que se observa perpassar da mídia impressa ao próprio telejornalismo.

No dia 21 de agosto de 2013, o DF Record exibiu uma matéria intitulada Moradores do Jardim Botânico temem invasão e insegurança”. Na reportagem, quatro moradores do condomínio Quintas do Interlago, no Jardim Botânico, entrevistados pela repórter Vanessa Lima, reclamam da insegurança e do aumento do número de assaltos a residências. Uma das moradoras informa ter tido a própria casa invadida e assaltada, além de o seu cachorro ter sido envenenado. Conforme a reportagem, os entrevistados afirmaram que “o problema começou desde que essa área (leia-se ocupação Vila do Boa), localizada nos fundos do condomínio Interlagos, foi invadida”, como se o Interlago estivesse em uma área regularizada. 

A dita reportagem confirma a tese de que é muito mais fácil apontar os problemas e as mazelas sociais que assolam uma comunidade do que propriamente divulgar as coisas boas que nela acontecem, como a cultura local e outras ações positivas que contribuem para a melhoria da qualidade de vida das pessoas, a exemplo da III Caminhada da Paz do Rotary Club de São Sebastião e da II Marcha contra o crack e outras drogas, realizadas recentemente. E aí fica a pergunta: qual foi a repercussão que a Record deu a essas duas ações? Nenhuma. E nem é difícil entender o porquê. Ações assim não dão ibope. Não dão mídia. O que dá ibope mesmo é esmiuçar, dissecar ao máximo o caos e a miséria sociais! Há uma semana, o Balanço Geral dedicou tempo significativo do programa na cobertura de mais um brutal assassinato ocorrido em frente ao mercado Mega Box.

Para nós, moradores e moradoras do Vila do Boa, a equipe da Record foi parcial, pois não ouviu ou sequer entrevistou qualquer morador da ocupação. Aquilo foi uma verdadeira falta de profissionalismo. A começar pelo fato de que a repórter só ouviu o outro lado da história. Não nos possibilitaram a oportunidade de nos defender. E se deram ao trabalho de entrar no local para fazer imagens na tentativa de confirmar a versão dada pelos moradores do condomínio, de que ali seria covil de assaltantes e bandidos. Parecia que a repórter estava numa praça de guerra ou no Iraque, pois ela solicitou a presença de uma viatura da Polícia Militar para entrar na ocupação, além de ter utilizado um colete à prova de balas.

Portanto, o que vimos foi a representação da luta de classes, do mais forte contra o mais fraco, a criminalização da pobreza e da miséria. Por inúmeras vezes já entramos em contato com o jornalismo da Record solicitando uma reportagem para que a comunidade possa dar a sua versão sobre os fatos abordados na referida matéria, mas até o presente momento não fomos atendidos. Queremos e exigimos o nosso direitos de resposta!

Por isso, repudiamos com toda a veemência a mencionada reportagem que, lamentavelmente agiu de forma parcial e tendenciosa ao privar os moradores da ocupação da Vila do Boa de darem a sua versão a respeito das denúncias de atos criminosos supostamente praticados no condomínio Quintas do Interlago por moradores da nossa comunidade. 

Convidamos, desde já, qualquer pessoa interessada a conhecer o lugar onde vivemos, inclusive os cidadãos que deram a entrevista. Se eles não sabem ou não se recordam, muitos dos pais e mães de família que aqui vivem são os mesmos que, naquele condomínio, lhes servem o café na mesa, cuidam dos seus jardins luxuosos, limpam suas piscinas, que cuidam de seus filhos e por aí vai. E não precisa vir de colete ou armado. Somos desprovidos de recursos, sem-teto e sem chão. Mas ladrões, não!

Atenciosamente,



Moradores e Moradoras da Ocupação Vila do Boa, São Sebastião-DF