30 de julho de 2011

A mão da limpeza

Para vocês, com todo o saudosismo que o momento e a emoção permitem, ai vai um clip do tipo jóia raríssima de se ver, para reavivarmos um pouco o protesto de Gil e Chico contra o aberrante e infame racismo no Brasil, na música "A mão da limpeza, do LP "Raça Humana", de 1984.  Apreciem!



Cansei...



Fonte: OAB/SP

29 de julho de 2011

GDF lança o programa Muita Calma Nessa Escola

Agnelo Queiroz inaugura programa firmado em parceria entre secretarias de Segurança e Educação

Suzano Almeida, da Agência Brasília
O governador Agnelo Queiroz lançou nesta quarta-feira (27/7), no Centro de Ensino Médio nº 4 do Guará I, o programa Muita Calma Nessa Escola. A ação conjunta das secretarias de Estado de Segurança e de Educação faz parte da política de segurança pública do Distrito Federal e tem por objetivo combater a violência e impedir o tráfico de drogas nas escolas locais.

O Departamento de Trânsito (Detran-DF) dará apoio ao programa, bem como as unidades da Polícia Militar (PMDF), entre elas o Batalhão Escolar. “Vamos ampliar o atendimento do Batalhão Escolar para criar uma cultura de paz, estreitando a relação entre estudantes e policiais militares”, destacou o governador Agnelo Queiroz.

Em sua primeira fase, o Muita Calma Nessa Escola vai atender 40 colégios com um sistema de policiamento intensivo. À medida que o efetivo da PMDF aumentar, o programa será levado às demais escolas, até alcançar todos os estabelecimentos de ensino do Distrito Federal. Serão dois policiais nos três turnos de aula. Os militares farão patrulhamento nas áreas internas e no entorno das escolas, seguindo as mesmas diretrizes do Policiamento Comunitário: ou seja, eles buscarão a parceria e a integração com a população.

“Nosso objetivo é dar essa atenção especial ao ambiente escolar, para que alunos, pais e professores tenham tranquilidade sempre”, destacou o secretário de Segurança Pública, Sandro Avelar.

Conscientização – Ao mesmo tempo, a Secretaria de Educação mobilizará alunos e familiares, trabalhando a conscientização de combate ao bullying e ao uso de drogas, e a necessidade de preservação dos prédios públicos e das boas relações pessoais na escola. 

Até o fim deste ano, com a integração de novos policiais ao Batalhão Escolar, a Secretaria de Segurança Pública deve dobrar o número de instituições atendidas pelo sistema de policiamento integral. O programa se baseará em dez ações:
- criação do Manual de Policiamento Escolar;
- participação da polícia nos Conselhos Escolares;
- campanhas educativas;
- criação do projeto Educar para a Cidadania;
- aumento do policiamento ostensivo;
- reforço do contingente policial;
- realização do primeiro Seminário Anual do Batalhão Escolar;
- aumento progressivo das escolas atendidas;
- realização de ações socioeducativas nas escolas;
- realização anual do curso de especialização de policiais do Batalhão Escolar, para reciclagem dos agentes atuais e formação especializada para novos policias.

Participaram da solenidade, entre outras autoridades, as secretárias de Educação, Regina Vinhaes, e de Comunicação, Samanta Sallum; o secretário-chefe da Casa Militar, coronel Rogério Leão; o comandante-geral da PMDF, coronel Paulo Roberto Rosback; os comandantes do Batalhão Escolar, tenente-coronel Eduardo Leite, e do Comando de Missões Especiais, coronel José Ricardo Cintra; o administrador regional do Guará, Carlos Nogueira Costa, e o deputado federal e presidente do PT-DF, Roberto Policarpo.

Foto 
Foto: Roberto Barroso

26 de julho de 2011

A medida da poesia ou a filosofia do fazer poético


Nem todo questionamento é filosófico
E nem tudo que rima é poesia
Rima pobre
Rima rica
Rima preciosa ou rara
Interna ou externa
Emparelhada ou interpolada
Tantas são as rimas que perdemos a medida certa


E eis um punhado de palavras soltas
Muito bem ordenadas e dispostas
Ao sabor de uma vã sonoridade
Ou à vontade de caprichos e fetiches
De amores juvenis
Aventuras e desventuras
De um ser qualquer infeliz

Palavras vivas de notável eruditismo
Bem compostas, retocadas aqui e ali
Servidas à mesa em pratos muito finos
Bem ao gosto dos fatigáveis salões burgueses
Ao eco seco do tamborilar de dedos à mesa
E aos burburinhos que pairam risonhos
Numa clara ostentação
De glamour e requinte

Mas, quando postas à balança
É que se tem a exata medida do que dizem:
Impossível esconder tamanha arrogância
De palavras, por vezes, cruas e vazias
Que pouco ou nada dizem.
Palavras que mais molestam os fatigados ânimos
E aborrecem os ouvidos,
Frases intoxicadas pelo elevado teor
Do ranço de tempos remotos que não cabem mais em si

Pois que fiquem sabendo os sofistas, os céticos
E todos os que querem enquadrar
E matematizar a livre e manifesta expressão da palavra:
Que não existe regra nem padrão
Que abarquem e definam por completo
O verdadeiro fazer poético.

Pois que a poesia nua e pura
É filha primeira e legítima da emoção que brota
Ardente e sedenta por materializar-se
Pela palavra simples e inteligível
Perante os olhos da razão e à alma do coração.

Todavia, um complexo emaranhado se revela
Linguagem carregada de significação
A extravasar dor, alegria, antíteses e antídotos
Até o mais profundo grau possível
Força que nos toca, paralisa e emociona diante da vida
Para levar ao coração
– canal de sentimentos e pensamentos enigmáticos –
A sugestão e a possibilidade
De brindarmos a vida e brincarmos de ser criadores
De realidades possíveis, concretas ou surreais.

Os cientistas, os físicos e matemáticos
Deveriam saber muito bem que
Não há dimensão nem medida calculável
Nem ponderação ou sobriedade
Muito menos a tal objetividade
Quando desejamos tratar das coisas e fenômenos
Cujo terreno seja de domínio da emoção

Pois o pensamento supera
O infinitamente pensável
-Meu sentimento é do tamanho do mundo!
Em minhas águas aparentemente calmas
Me pego a digladiar interminavelmente
Contra feras indomáveis
Monstros tenebrosos saídos
Na calada da noite
Do fundo do mar bravio -
Furacão doido, tempestuoso – sorvedouro implacável
De dia, águas mansas, à noite, mar inavegável

Minha emoção não se faz prisioneira, portanto,
Das correntes do Formalismo Russo
Ou dos preceitos mais sagrados
Ditados pela consagrada norma culta-padrão Greco-Latina
Não requer floreios de retórica
Nem palavras sublimes de fúteis lisonjas

Minha poesia não usa gravata
Nem ostenta de nariz empinado ou
De salto alto, resquícios de ares palacianos
Não carrega reis ufanos e absolutistas na barriga
Muito menos fala o que quer
Por não ter nada a dizer.

Não, definitivamente, minha poesia,
E toda minha carga de emoção
Andam juntas e de mão dadas,
Jamais caberiam num mero soneto
Dois quartetos, dois tercetos: 14 versos
Não abarcam a amplitude do meu sentimento
A minha angústia, ou contentamento.

Tudo isto me parece imensurável
Enigmático, quimeras, ora bolas!
Mas não te esqueças que poesia
Tem um pouco de filosofia
E se queres de fato apreciá-las
Como bom amante do pensar
Abre uma taça do teu vinho predileto
Toma de bom grado o primeiro cálice e o
O que agora te digo:

Para apreciares a musa, não te prendas aos arcaísmos gramaticais
Nem a fórmulas poéticas pré-fabricadas
E escritas à pena e ao gosto de estilos confundíveis

Eterniza o quanto possível em teus poemas
As alegrias da vida, teus amores e paixões mais febris
Mas também registra tuas dores e tristezas
E as coisas mais banais e vãs que acaso
Julgue merecedoras de um belo poema teu
Pois estas também constituem matéria de poesia.

E quanto à filosofia, peço apenas
Que te admires um tanto mais a cada dia
Das coisas mais simples
Que povoaram e ainda povoam a tua existência
Posto que nelas encontrarás algum sentido
Para entender os mecanismos que movem e removem
Silenciosamente, imperceptivelmente...
Na calada dos teus deslizes
As engrenagens da grande e maravilhosa
Máquina do mundo!

Sê um poeta, sê um filósofo com o pouco
Que tens e com o muito que te resta saber
Mas, filósofo e poeta,
não de momento ou de ouvido, simplesmente
Mas para toda uma vida
O resto, é prontidão...

Por Francisco Neri

Sucatões: eis a cara do transporte público do Distrito Federal

Acompanhe mais um vídeo-denúncia sobre a situação do atual falido sistema de transporte do DF, o mais caro e precário do país na avaliação dos próprios usuários. E se alguém ainda tem duvida disso, que passe apenas alguns minutos na Rodoviária do Plano Piloto ou em qualquer parada de Brasília para compravar com os próprios olhos. É ver para crer.



Fonte: TV Brasília.

21 de julho de 2011

Passeata Reage Brasília - Agora é a hora - Cidadania em primeiro lugar

" A democracia não sobrevive sem a ética, é a ética que constrói a democracia. "
( Betinho - Sociólogo)

Desde a emancipação política do DF, ao longo desses 23 anos, os grupos políticos que se aninharam em Brasília,  impuseram uma cultura clientelista  e práticas políticas nefastas na contramão de um Estado Moderno.  O DF virou uma vitrine nacional de escândalos de corrupção ao longo desses anos. Foram tantos casos de denúncias de corrupção envolvendo o Executivo, o Judiciário e principalmente, o Poder Legislativo local , que é até difícil se lembrar de todos, para elenca-los. E os escândalos mais recentes ainda estampam as capas de jornais sem uma resposta adequada da lenta e cega  justiça brasileira.

 
Tal situação se deu não apenas pela desqualificação da maioria dos políticos do DF e seu pouco compromisso com os cidadãos. Mas, principalmente porque a população mais esclarecida do de Brasília pecou por sua apatia quanto aos rumos da cidade, deixando, por pura omissão, de exercer legitimamente a plena cidadania. E a camada de baixa renda, virou "massa de manobra", sem consciência política necessária para perceber que as benesses e favores que recebem dos políticos, além de não a  promoverem social e culturalmente, também contribuiu  para uma deformação endêmica das instituições públicas da Capital Federal.
 
Com o intuito de acabar com essa apatia política que compromete o futuro das gerações vindouras no Distrito Federal, o Movimento  #ADOTEUMDISTRITAL em parceria com diversas entidades  e lideranças do DF, resolveu unir toda a sociedade braziliense: jovens e idosos, mulheres e homens, de todas as raças e credos e orientação sexual, estudantes secundaristas e universitários, sindicalistas, funcionários públicos, desempregados, trabalhadores em geral, donas de casa, e etc  em um protesto pelo resgate da ética, cidadania e Moralidade Pública! A realizar-se  no próximo dia 23 de Agosto , concentrando-se às 15 horas na Praça em frente ao Palácio do Buriti e dedpois saindo em passeata pelo TJDF e Câmara Legislativa. . A idéia é  levar ao Executivo do DF, ao Legislativo e ao Judiciário, propostas populares para transformar Brasília na cidade que queremos e merecemos!

Escolhemos o dia 23 de Agosto porque nesta mesma data há 35 anos, em plena ditadura militar, no dia 23/08/1976, ocorreu a maior manifestação popular já vista no Distrito Federal, que comoveu todo o país: o enterro do fundador de Brasília, Juscelino Kubitschek. O caixão de JK foi carregado nos braços pelos candangos ( uma multidão ) , desde a Catedral até o Cemitério Campo da Esperança!


 

E agora, 35 anos depois, nós vestiremos preto, num luto pelo que representa esta data e principalmente em protesto pelos escândalos de corrupção que assolaram a cidade e mancharam a sua imagem envergonhando a população de brazilienses de nascimento e de coração. E levaremos velas, que acesas representarão o desejo de que Brasília renasça das cinzas. As velas serão acesas em frente à CLDF, pivô de vários escândalos e que recentemente ficou conhecida internacionalmente como um " Refúgio de canalhas". Pediremos a toda a população do DF, que anseia por mudanças, que se vistam com alguma peça de roupa preta ou coloquem em seus carros ou nas janelas de suas casas e apartamentos algum tecido preto em apoio ao Movimento que busca o resgate da ètica, cidadania e moralidade pública.
 








Fonte: Blog da Leili

18 de julho de 2011

Transporte Coletivo de Brasília é reflexo do descaso do governo com a população

Agnelo Queiroz assumiu seu governo com a meta de realizar uma verdadeira licitação que iria varrer a sujeira da máfia do transporte coletivo de Brasília

Por Frente da Juventude Distrito Federal - FJDF

Quem já pegou um ônibus coletivo na capital federal com destino a alguma das trinta cidades do Distrito Federal, sabe bem como é a realidade do transporte entregue a empresas cada vez mais sucateadas, motoristas imprudentes (que colocam a vida do brasiliense em risco), sujeira nos ônibus e o pior, ter uma das passagens mais caras do Brasil.

Em um país que a democracia é sucateada pela demagogia e mesmo com manual de brasileiro “ordem e progresso”, não há se quer dimensões a sonhar em uma atitude realmente palpável na solução desta problemática, que já vem de desgovernos anteriores: Rorizismo, Arrudismo e agora, Agnelismo do “não sei”, pois quando você encontra a personalidade ‘famosa’ de Brasília, que não conhece as cidades, suas necessidades e muito menos o seu transporte, ele nunca sabe de nada.

Brasília completou 51 anos, cercada por cidades cada vez mais desenvolvidas e com uma população de quase 3,5 (três milhões e meio de habitantes), porém, falta o ativismo político e social dos brasilienses, que não devem se calar, devem ir as ruas e exercer o papel de cidadão que luta pelos seus direitos. O Governo do Distrito Federal está minuciosamente calando a democracia, falindo a imprensa e exercendo o poder do militarismo “tapa de luvinha” – amigo, para tentar surrupiar o jornalismo impávido.


DENÚNCIA
Nesta sexta-feira, em entrevista com a universitária Alice Sousa, 23, que estuda na Universidade de Brasília e sai de Samambaia Norte, pegando o 373.2, ônibus: 133451, que vai em direção à Rodoviária do Plano Piloto, foi possível observar um depoimento que resume o transporte coletivo da capital. “Todos os dias sofro com a ‘violência’ no trânsito, que é ter como única opção para sair de Samambaia, em direção a rodoviária de Brasília, a empresa Viplan (ViaçãoPlanalto), que tem os piores motoristas, grosseiros, imprudentes, excedem a velocidade e mal param nas paradas, a gente tem que entrar, com o ônibus em sua maioria em movimento”, denuncia a jovem, que está repleta de angústia, em ter acreditado no Novo Caminho.

A Viplan é a única empresa de ônibus coletivo que leva a população de Samambaia, Brazlândia, Gama e outras cidades para o Plano Piloto, porém, a insatisfação da população com a empresa é muito grande, pois os serviços oferecidos são de má qualidade, alto risco e várias reclamações preenchem a caixa de ‘arquivo morto’ do 156 (serviço de atendimentoao cidadão do DF), que não é nada transparente, por isso, a sociedade e a juventude de Brasília, está se mobilizando para colocar a ‘boca no trambone’.


São Sebastião-DF: incompetência, descaso e abandono no novo (?) caminho do transporte coletivo
Por Francisco Neri

Falar da situação do transporte em São Sebastião, é falar de um problema que angustia a todos os segmentos da comunidade, desde estudantes, trabalhadores em geral (os mais prejudicados), condutores e até quem não se utiliza deste precário serviço. Enumerar as mazelas que enfrentamos todo dia nos coletivos não é lá tarefa muito fácil de se fazer, haja vista não serem poucas. Então comecemos pelas mais escancaradas e que estão aí para inglês ver. A falta de ônibus; os recorrentes atrasos nos itinerários; a contumaz superlotação; a insuficiência de linhas para atender a demanda  dos moradores; a sujeira e a falta de conservação dos ônibus, são apenas a ponta do iceberg da velha e constante problemática do transporte coletivo em nossa cidade.
Gostaria de expressar aqui a minha indignação com o tamanho descaso que hoje se tem para com aqueles que dependem cotidianamente do transporte, que saem de suas casas e não têm hora certa para voltar. É sabido que há um bom tempo não mais dispomos dos microônibus que fazem o itinerário circular na cidade. Com isso, ficamos dependentes unicamente de uma linha  da empresa Rápido Brasília. Justamente neste  último sábado 16, amarguei pelo menos umas três horas intermináveis na parada da Praça Labodeguita, esperando por um mísero circular. Duas senhoras que também aguardavam impacientes o trasporte que nunca vinha, sentiram na pele (ou melhor,nos pés, pois como os assentos da parada estavam lotados, elas tiveram mesmo que aguardar de pé) o peso da letargia e da falta de respeito que hoje se abatem sobre os gestores do nosso (?) sistema de transporte.
Naquele dia, por incrível que pareça, nem mesmo os carros particulares passavam. Nada passava a não ser mesmo a hora de quem não tem tempo a perder tomando chá de parada de ônibus. Sabemos que o transporte particular não é permitido por lei, mas em uma hora de aperto como aquela, quem é que vai perguntar se é certo ou errado fazer viagem com os loteiros, meu amigo?  E ademais, eles estão trabalhando honestamente. Se o Estado não quer dar vazão para a proliferação do transporte pirata, então que cumpra de forma competente e eficiente  com o seu papel de garantir transporte de qualidade para todos. Que respeite a dignidade e a condição de cada cidadão. Que o DFTRANS seja mais operante e menos paulatino e burocrático.
Onde estão as linhas que, inclusive constam do site do DFTRANS como se estivessem circulando normalmente?


Na terceira reunião do Comitê de Transportes da Administração de São Sebastião,  muitas reclamações foram apresentadas pela comunidade, encaminhou-se um ofício (N°243, de 17 de maio de 2011)  para  o Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans) e até o momento (lá se vão quase três meses) não obteve-se nenhuma resposta. Se essa demora toda for por falta de provas materiais de que os problemas realmente existem, sugiro convidarmos gentilmente a autoridade competente do referido órgão para vivenciar apenas algumas horas em nossas paradas e tirar as suas próprias conclusões. Quem sabe assim a coisa ande e a má vontade de atender a demanda da população passe...

Depois de tentar falar com o setor do DFTRANS responsável pelas linhas e ser transferido para uma dúzia de outros setores, liguei na Gerência de Programação e Manutenção (GPM) no número 3043-0431, de onde também me pediram para ligar mais tarde, pois a atendente não soube me informar o motivo pelo qual os microônibus não estão circulando em São Sebastião. Disse apenas que os mesmos DEVERIAM ESTAR CICULANDO. Que coisa, não?
Assim, faço um apelo para que os direitos do usuário sejam respeitados, principalmente daqueles que mais precisam do transporte coletivo -  trabalhadores em geral e estudantes! E que o DFTRANS tire a linda lista de direitos do usuário da sua página na internet e coloque realmente em prática. Não precisamos de papéis entupidos de um punhado de palavras vazias.

Precisamos mesmo é de um serviço de qualidade, que seja digno e que respeite o contribuinte.

13 de julho de 2011

Papel principal: Conheça 12 filmes em que a Educação é protagonista

De ficção a documentários, as obras retratam diferentes realidades escolares

Carolina Vilaverde
Da Redação do Todos Pela Educação

O professor não é um grande ator apenas na sala de aula: em filmes e documentários, a profissão assume papel de destaque. O Todos Pela Educação selecionou 12 obras que contam histórias de docentes dedicados, discutem a importância do magistério e falam do complexo processo do ensino-aprendizagem. Confira os filmes abaixo e, se você conhecer outros bons exemplos da Educação no cinema, deixe seu comentário aqui.

As Melhores Coisas do Mundo




Um adolescente de 15 anos, cujo apelido é "Mano", precisa aprender a lidar com o bullying e com as reações de colegas, no momento em que seus pais estão se separando. O local principal da trama é a escola, palco para debates sobre a iniciação sexual, o amor entre aluna e professor, a democracia no ambiente do ensino, entre outros. A obra pretende retratar os dilemas dos jovens na perspectiva deles.

Ficha técnica
Direção: Laís Bodanzky
Duração: 107 min
Ano: 2010
País: Brasil

 
Entre os Muros da Escola





Baseado em livro homônimo, o filme mostra as experiências do professor de literatura François Marin em uma escola de Ensino Médio, localizada na periferia de Paris. O docente tenta estimular os estudantes, mesmo tendo que lidar com o descaso dos alunos. A obra foi indicada ao Oscar 2009 de Melhor Filme Estrangeiro e ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes 2008.


Ficha técnica
Direção: Laurent Cantet
Duração: 128 min
Ano: 2007
País: França

Escritores da Libertade





Uma professora tenta combater um sistema deficiente e fazer com que a sala de aula faça a diferença na vida de seus alunos, criados em meio à violência e à agressividade. Por meio de diários, os adolescentes escrevem suas histórias e têm a chance de ter uma voz própria. O longa foi inspirado em eventos reais, relatados pela professora Erin Gruwell e seus alunos no livro "O Diário dos Escritores da Liberdade".

Ficha técnica
Direção: Richard LaGravenese
Duração: 123 min
Ano: 2007
País: Estados Unidos




Pro Dia Nascer Feliz




O documentário mostra as situações que o adolescente brasileiro enfrenta nas escolas, envolvendo casos de preconceito, violência e também de esperança. São apresentados jovens de três estados do País, de classes sociais diferentes, que falam de suas vidas na escola e contam seus projetos, sonhos e inquietações.

Ficha técnica
Direção: João Jardim
Duração: 88 min
Ano: 2006
País: Brasil


Confira esses e outros filmes que trabalham com a temática da educação clicando aqui.

 
Fonte: Todos pela Educação

Movimento Todos Pela Educação realizará Congresso Internacional Educação: uma Agenda Urgente


De 13 a 16 de setembro, serão debatidos temas para acelerar a melhoria do ensino

Da Agência Todos pela Educação

O Todos Pela Educação realiza, em parceria com instituições nacionais e internacionais, o Congresso Internacional "Educação: uma Agenda Urgente”, de 13 a 16 de setembro, em Brasília. O objetivo do encontro, que reunirá líderes brasileiros das áreas educacional, acadêmica e de gestão, é o debate de questões que precisam avançar para acelerarmos os resultados, principalmente de aprendizagem, da Educação Básica no País.

“Educação de qualidade é um direito que vem sendo negado a milhões de crianças e jovens de todo Brasil, que estão fora das escolas ou terminam o Ensino Médio sem ter aprendido o mínimo que era esperado”, explica Priscila Cruz, diretora-executiva do Todos Pela Educação. “Se queremos um País mais justo e menos desigual, precisamos garantir Educação de qualidade para todos”, completa.

O congresso conta, para cada uma das sessões de debate, com um parceiro realizador. Serão ao todo nove temas; confira:

1 - Justiça pela qualidade da Educação – Em parceria com a Associação Brasileira de Magistrados, Promotores de Justiça e Defensores Públicos da Infância e da Juventude (ABMP), serão debatidas as necessidades do sistema de Justiça brasileiro para oferecer aos operadores do Direito os instrumentos que lhes possibilitem garantir que as políticas educacionais sejam cumpridas.

2 - Regime de colaboração – Nesta sessão, em parceria com o Conselho Nacional dos Secretários de Educação (Consed) e a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), serão abordadas as responsabilidades de cada ente federado na Educação e analisadas as experiências exitosas que conseguiram impactar positivamente os indicadores da Educação.

3 – Definição das expectativas de aprendizagem – O Conselho Nacional de Educação (CNE), parceiro dessa sessão, auxiliará no debate sobre os desafios e as oportunidades que a definição de expectativas de aprendizagem pode oferecer.

4 - Formação inicial do professor – Em parceria com a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), serão debatidos os modelos de formação inicial do docente e as oportunidades de mudanças para que esta formação esteja mais próxima das necessidades das crianças e jovens da sociedade atual.

5 – Carreira do professor  – Remuneração, plano de carreira e condições de trabalho são alguns dos temas a serem debatidos, em parceria com o Ministério da Educação (MEC), sobre o que precisa ser feito para tornar a carreira de professor uma opção mais atraente no País.

6 - Avaliações externas e seu uso na gestão educacional - O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) é parceiro na sessão que debaterá o uso dos resultados das avaliações de larga escala na gestão e para as intervenções pedagógicas.

7 – Educação integral – Em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), serão analisados os principais desafios das políticas de ampliação da exposição à aprendizagem, especialmente Educação em tempo integral.

8 – Equidade e inclusão – Em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), serão apontadas as políticas públicas que têm tido mais êxito e as que precisamos desenvolver para garantir o pleno acesso de todos a escolas de qualidade.

Sessão especial: Movimentos pela Educação na América Latina – O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) é parceiro na sessão que contará com alguns dos movimentos latino-americanos que trabalham pela melhoria da qualidade da Educação em seus países para troca de experiências e possível fomento de uma rede de mobilização regional.



TPE e UNICEF promovem debate com gestores, acadêmicos e representantes da sociedade sobre princípios, desafios e metas da educação brasileira a serem discutidos no Congresso Intenacional de setembro
Por Francisco Neri
Com o objetivo de promover a discussão sobre os problemas e desafios da educação face ao modelo econômico e ao atual sistema de ensino, representantes do Movimento Todos Pela Educação e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) debateram na manhã dessa terça-feira (12) as metas na área de educação a serem atingidas até 7 de setembro de 2022.
Estiveram presentes representantes de universidades, Ministério da Educação, entidades sociais, União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação – Undime, Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Estatuto da Criança e do Adolescente, alunos de escolas públicas, parlamentares da Câmara Federal, Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), entre outros. As metas pautadas são:
1-    Toda criança e jovem de 4 a 7 anos na escola;
2-    Toda criança plenamente alfabetizada até os 8 anos;
3-    Todo aluno com aprendizado adequado à sua série;
4-    Todo aluno com o Ensino Médio concluído até os 19 anos;
5-    Investimento em educação ampliado e bem gerido.
No bojo dos grandes desafios, o tema da equidade foi colocado pelos debatedores como principal bandeira de luta pelos avanços na educação por ser a equidade um prisma que permite se repensar e reavaliar com maior profundidade os demais aspectos que envolvem a educação, desde o seu financiamento até os problemas de ordem administrativa e pedagógica.
“Pensando a partir deste prisma [a equidade], adentramos em muitas questões problemáticas que nem sempre constam das pesquisas relativas ao ensino, como por exemplo, a faixa etária, as condições de acesso, a qualidade do ensino e a permanência na escola, além, é claro, do conhecimento do senso sobre quem são as crianças atendidas pelas políticas públicas. São fatos que estão intimamente relacionados à dinâmica que envolve a educação”, destacou a representante do UNICEF no Brasil Marie-Pierre Poirier.
Priscila Cruz, diretora-executiva do Todos Pela Educação, explicou a agenda de discussões que serão realizadas em parceria com instituições nacionais e internacionais, no Congresso Internacional "Educação: uma Agenda Urgente”, evento da mais alta importância que acontecerá de 13 a 16 de setembro, em Brasília.
Propostas em debate
Após a explanação dos principais pontos que serão debatidos no Congresso Internacional, foi aberto espaço para intervenção dos participantes. Vários pontos foram levantados.
A partir dos nove temas que nortearão o congresso de setembro, foram elencadas várias outras propostas, que por sua vez foram sistematizadas em princípios, desafios e metas. “Garantir a universalização do acesso, a permanência e a qualidade do ensino é essencial”, ressaltou Cleuza Repulho, presidente da UNDIME.
De acordo com Maria Salete, do UNICEF, o respeito às diversidades é outro ponto fundamental e que deve levar em consideração não apenas as questões de gênero, etnia, credo religioso e orientação sexual, mas especialmente a territorialidade, as características peculiares que envolvem cada região. “O tratamento com a equidade deve valorizar o aspecto territorial a partir das muitas dimensões da exclusão que perpassam pelas macrorregiões, periferias e áreas rurais. Para olhar para todos, é imprescindível olhar para cada um, para cada realidade existente”, enfatizou.
Outras questões apresentadas foram: a importância da atuação intersetorial das políticas públicas; a melhoria e adequação da infraestrutura e de equipamentos escolares para o atendimento adequado dos segmentos de ensino a que se destina; a formação inicial e continuada dos professores; o fomento e a ampliação de investimentos na área de educação, inclusive o aumento do percentual do PIB destinado ao Plano Nacional de Educação (PNE) de 7% para 10%; uma maior abordagem e dimensionamento da educação para as relações etnicorraciais e a efetivação das leis 10.639 /2003 e 11.645/2008.
As ideias e propostas levantadas durante a discussão serão sistematizadas pelo TPE e UNICEF para subsidiarem as sessões de debates durante o Congresso Internacional de setembro.

11 de julho de 2011

GDF lança o Programa DF Alfabetizado: meta é alfabetizar 65 mil até 2014.

O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, lançou o Programa DF Alfabetizado: juntos por uma nova história. A cerimônia foi realizada na manhã da última sexta-feira (08), no auditório da Escola de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação (EAPE). O evento contou com a presença do vice-governador Tadeu Fillippeli, da secretária de Educação Regina Vinhaes; do secretário adjunto de Educação do DF, Erasto Fortes, das secretárias Arlete Sampaio (Sedest) e Olgamir Amância (da Mulher), da diretora-geral da Polícia Civil do DF, Mailine Alvarenga. Também estiveram presentes representantes do Fórum EJA/GTPA DF, lideranças de entidades e movimentos populares do Distrito Federal e os deputados distritais Wasny de Roure (PT-DF) e Evandro Garla (PRB-DF), e a deputada federal Erika Kokay (PT-DF).

Segundo Erika Kokay, as populações das áreas do DF que historicamente foram desassistidas e negligenciadas pelo Estado durante décadas, terão a oportunidade ímpar de serem inseridas na vida social e política por meio das ações de alfabetização de jovens e adultos. “É absolutamente importante unirmos forças neste momento para que Brasília seja referência nacional no enfrentamento à miséria e à exclusão social, e para tanto, o caminho mais acertado é o da educação”, sentenciou.
Agnelo explicou que as ações do programa de erradicação do analfabetismo no DF trazem, entre outras estratégias, o trabalho conjunto e intersetorial entre as pastas do governo (Secretaria de Educação, Secretaria de Saúde, Segurança, Sedest, Codeplan, Secretaria da Mulher, Secretaria de Comunicação, Secretaria de Direitos Humanos, entre outras) e a Sociedade Civil Organizada (entidades sociais, sindicatos, associações comunitárias e igrejas).
“Esse programa, pelo tamanho do desafio que representa para Brasília, exigirá um esforço conjunto e concentrado de todos, a começar pela intensa mobilização da sociedade para conseguirmos promover a alfabetização de 10 mil pessoas com 15 anos ou mais por semestre, em turmas de 1° etapa do 1° segmento da EJA”, explanou Agnelo.
O governador apontou como prioridade de atendimento do programa neste primeiro momento, as áreas do DF que concentram baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) -Estrutural (DRE Guará), Itapoã (DRE Paranoá) e Sol Nascente/Por do Sol (DRE Ceilândia), com foco voltado para as mulheres que, segundo dados estatísticos, são as mais atingidas pela pobreza nessas áreas, e que geralmente são mães sem qualquer escolaridade que exercem funções de trabalho subalterno.
Segundo dados oficiais, o DF é, atualmente, a unidade da Federação que apresenta um dos menores índices de pessoas não escolarizadas do país. Cerca de 3,4%, número que equivale a 65 mil pessoas alijadas do direito à educação e à cidadania.  
Estratégias ousadas
Entre as estratégias que o programa lança mão, destacam-se:
- Criação de uma agenda territorial que monitore as ações de alfabetização e a continuidade em turmas da EJA;
- Celebração de convênio com instituições com larga experiência comprovada com o tema para apoio no desenvolvimento das ações de alfabetização e instituições de ensino superior;
- Promoção de cursos de formação de alfabetizadores por meio da Escola de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação (EAPE);
- Foco na territorialidade: as escolas serão incumbidas da efetivação de matrículas na própria área de abrangência da ação alfabetizadora;
- Utilização do Método Paulo Freire como caráter inovador e concepção libertadora de educação;
- Mobilização da sociedade civil organizada para realizar o censo da alfabetização, busca ativa do público-alvo e para ações coordenadas pela SEDF, GTPA-Fórum EJA/DF, além de uma intensa mobilização de educadores e agentes de educação de jovens e adultos para o fomento da ação alfabetizadora.
Novas perspectivas
Regina Vinhaes enalteceu a iniciativa do GDF e afirmou que este é um programa que tem o mérito de unir os vários segmentos da sociedade para o alcance de um objetivo comum: promover educação para aqueles que não tiveram oportunidade.
“Estamos lançando um dos mais importantes programas do governo Agnelo e vamos levar cidadania e novas perspectivas para os que foram privados do direito à educação”, assinalou a secretária.
Erasto Fortes resgatou a importância das ações dos movimentos sociais de educação popular no país e defendeu o fortalecimento das parcerias entre governo e sociedade civil organizada para a plena erradicação do analfabetismo para além da capital.
 “As nossas 640 escolas estão mais do que convocadas para abrirem as suas portas e abraçarem essa missão que tão honrosamente nos foi delegada”, destacou o secretário.
A subsecretária da Unidade de Administração Geral (UAG) da SEDF, Vânia Rego, apresentou o programa com as ações prioritárias, estratégias e a projeção de pessoas a serem alfabetizadas até 2014.
“O programa lança um grande desafio a todos nós. Um desafio que fez a sua opção ideológica de trabalhar com a metodologia do mestre Paulo Freire, e por isso mesmo se trata de uma iniciativa inovadora, pautada no ideal libertador da educação”, esclareceu Rego.
Para Renato Hilário dos Reis, Prof. Dr. da Faculdade de Educação da UnB, o evento foi um momento histórico e extremamente significativo do processo de alfabetização no DF, ação esta que foi iniciada por Paulo Freire de forma pioneira em 1964. “Vejo este momento como uma continuidade à vida de Freire por outros e por outras freireanas em atendimento às muitas exigências do século XXI e de sua contemporaneidade”, concluiu Hilário.
Depoimento
Eva Lopes, ex-aluna e hoje alfabetizadora do Centro de Cultura e Desenvolvimento do Paranoá e Itapoã (CEDEP), fez um relato da experiência durante o período em que foi alfabetizada, citou as dificuldades e os desafios quando teve os primeiros contatos com o mundo das letras e dos números, e enalteceu a importância da educação na vida das pessoas.
“Mostrar para as pessoas que elas carregam um grande potencial e os mesmos direitos enquanto cidadãs, talvez tenha sido o que de mais significativo eu tenha aprendido até aqui. Eu vi nos olhos de alguns alunos o quanto o domínio da leitura e da escrita representava para eles, o quanto a autoestima melhorou. Isso me faz abraçar a causa da educação como missão”, relembrou a educadora que considera o projeto [DF Alfabetizado] um meio fundamental de democratização do ensino.

Francisco Neri
Assessoria Parlamentar

Oficinas de Música 2011

Prezados Parceiros,
 
 
Temos o prazer e a honra de convidá-los para o evento de lançamento do projeto "OFICINAS DE MÚSICA 2011" que acontecerá na próxima sexta-feira (15-07), às 19 horas na PROMOVIDA (Rua do Caic, 480, São Sebastião-DF).Ponto de referência: Rua do Posto de Gasolina BR, ao lado da Igreja Nossa Senhora Aparecida.

Na oportunidade, contaremos com a apresentação da Orquestra de Câmara José Maurício e o grupo Canarinhos do Distrito Federal. Estarão presentes ainda alunos inscritos para as oficinas, autoridades e lideranças locais.

Contamos com sua indispensável presença.

Atenciosamente,

Zilmar Sousa (61) 8510-4523

13° FESTIVAL DA BRINQUEDOTECA

A brinquedoteca Comunitária Ludocriarte de São Sebastião tem a honra de convidar TODA A COMUNIDADE para o 13° FESTIVAL ARTÍSTICO CULTURAL, cujo tema deste ano é " O viajante e suas histórias". Traga sua família, seus amigos e vizinhos e venha brincar e se divertir à beça ao lado das nossas crianças. Afinal de contas, no palco da vida, somos todos artistas, poetas, cantores e o que mais a nossa fantástica imaginação nos permitir ser, desde que para tanto, como diz o poeta, nos esforcemos para sermos adultos sem perder a alegria e a espontaneidade de uma criança.


PARTICIPE!!!

9 de julho de 2011

O Inferno de Dante na saúde do Distrito Federal

Vítima da mais completa desumanização e do descomunal descaso no atendimento médico-hospitalar da rede pública de saúde do DF, servidora relata momentos terríveis de perplexidade e de revolta que amargou quando mais precisou ser atendida, após acidente de carro com amiga que sofreu convulsão.

7 de julho de 2011

Por que é tão difícil sair da internet e ir trabalhar/estudar/ler um livro

Por Ana Carolina Prado



Que atire a primeira pedra quem nunca perdeu minutos valiosos navegando na internet em vez de fazer um trabalho atrasado. Ou quem nunca tenha ido para a cama com a intenção de ler um livro, mas resolveu dar uma olhada rápida no Facebook e no Twitter para, depois, se dar conta de que gastou todo o tempo da leitura apertando o F5 obsessivamente.

Fazer isso vez ou outra não significa que você esteja viciado em internet, mas essa é uma realidade constante para quem tem o problema. Agora, a ciência parece ter descoberto o que esse comportamento não é só uma questão de autocontrole, mas está relacionado a alterações estruturais no cérebro. Um estudo publicado em junho na revista científica PLoS ONE analisou os cérebros de 18 chineses que passavam de 10 a 12 horas em games online e os comparou com outros 18 jovens que gastavam no máximo duas horas na rede.

O resultado revelou que várias pequenas regiões no cérebro dos viciados encolheram significativamente – em alguns casos, entre 10 e 20%.  Quanto mais antigo o vício, mais pronunciada a redução. Para os autores do estudo, esse encolhimento poderia afetar o autodomínio (é por isso que não dá para ficar só 15 minutinhos no Facebook) e o foco em prioridades e metas definidas (ler um livro, por exemplo).

A pesquisa também revelou que a matéria branca cerebral (um dos principais componentes sólidos do sistema nervoso central, ao lado da massa cinzenta) também foi alterada. As imagens mostraram maior densidade de matéria branca em um ponto do cérebro ligado à formação da memória. Por isso, não é raro encontrar viciados em internet com dificuldade para armazenar informações. (Sabe quando você encontra um texto ótimo em um site e pouco tempo depois não faz ideia do que ele dizia? Então.) Já no membro posterior esquerdo da cápsula interna – parte do cérebro ligada a funções cognitivas e executivas -  a densidade da matéria branca caiu, o que pode prejudicar a habilidade de tomar decisões.

Uma explicação possível para essas alterações é que quem passa muito tempo online utiliza mais algumas áreas do cérebro do que outras. Como um músculo, certas áreas podem se desenvolver mais ou menos para se adaptar ao uso que fazemos delas.

Tratamentos radicais
Por falta de evidências científicas, o vício em internet ainda não é um transtorno reconhecido pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM, em inglês), a bíblia dos profissionais da saúde mental. Mas já existem tratamentos para esse problema em vários lugares. Talvez a China seja o país que faça isso com maior rigor: lá tem um polêmico campo de treinamento semimilitar para viciados em Internet que inclui até eletrochoques.  Estima-se que 14% dos jovens urbanos chineses – o que significa 24 milhões de pessoas – tenham esse vício.



5 de julho de 2011

Oficinas gratuitas no Espaço Cultural Renato Russo

O Espaço Cultural Renato Russo ( 508 Sul) está com inscrições abertas e gratuitas para as Oficinas de Férias. Interessados devem fazer a inscrição a partir desta segunda (05/07) , das 9h às 12h e das 14h às 17h, na secretaria de cursos do Espaço. Serão oferecidas quatro modalidades de oficinas.  Incrições gratuitas. Vagas limitadas. Mais informações: 34436039 (administração) ou sobre as oficinas (61) 32440411 (secretaria de cursos).
Confira as turmas:
 
Oficina Teatrando de Férias (Iniciação teatral), com a professora Adriana Lodi - de 11/07 a 15/07 de segunda a sexta das 10 às 13 horas – 30 vagas

Objetivos:  Despertar o gosto e o interesse do aluno pelo fazer artístico, utilizando as Artes Cênicas como veículo de fomentação da sensibilidade e da capacidade criadora, e a importância do teatro como modo de expressão do pensamento.
 
Oficinas de Artes Plásticas, com a Profa. Marlene Costa
 
Oficina Lápis de Cor sobre Papel 1, a partir dos 14 anos -  de 18/07 a 29/07/2011, às 2ª, 4ª e 6ª feiras, das 8h30 às 11h30 - 10 Vagas

A oficina Lápis de Cor sobre Papel 1 visa ampliar as possibilidades do uso do lápis de cor, enquanto meio de expressão plástica, por meio das técnicas de sobreposição, justaposição e polimento de cores. Artistas como Portinari, Picasso, Toulousse-Lautrec, Maria Leontina, empregaram o lápis de cor em suas produções.

Oficina Lápis de Cor sobre Papel 4 - de 19/07 a 28/07/2011, às 3ª, 4ª e 5ª feiras, das 19h às 21h30 - 10 Vagas
 
Essa oficina é destinada aos alunos que participaram das Oficinas Lápis de Cor sobre Papel 1, 2 e 3. A oficina propõe a utilização do recurso lápis de cor AQUARELÁVEL em atividades orientadas e em produções próprias, visando ampliar as possibilidades do uso das técnicas assimiladas nas oficinas anteriores de Lápis de Cor sobre Papel.

Oficina Break Dance (Hip hop), com o grupo Black Spin Breakers
A partir de 16/07 sempre aos sábados das 9 às 12 horas – 45 vagas. Essa oficina se inicia nas férias e se estende até o primeiro sábado de dezembro.
 
Secretaria de Cultura do Distrito Federal