A PAZ E A ESPERANÇA VENCERÃO O MEDO E A MORTE.

     Já estamos cansados de conviver com cenas de violência em nossa sociedade. A violência está por toda a parte, seja no lar, seja no bairro, seja no trabalho, seja em festas, diversões, e agora se mostra presente na escola também.
      O mundo está chocado e horrorizado com o que aconteceu naquela escola na cidade de Realengo no estado do Rio de janeiro. Várias crianças tiveram suas vidas ceifadas por um jovem desequilibrado que foi a escola com a intenção de aniquilar aqueles jovens inocentes e indefesos. Muitas perguntas estão sendo feitas no sentido de buscar respostas para tamanha barbárie. Vou levantar um questionamento um tanto quanto importante: O que levaria um jovem a cometer um ato cruel e tão repugnante?
     Para se ter uma resposta clara dessa pergunta, só fazendo uma leitura da atual conjuntura familiar de nosso país, e ai somos obrigados a fazermos outro questionamento: Que tipo de família nós temos? Em sua grande parte vemos famílias totalmente desestruturadas, pais separados, clima de guerra dentro do lar, pais e filhos que não buscam o entendimento, adultério e a falta de carinho e atenção, entre ambos dentro de casa, se tratam como se fossem estranhos, com uma frieza inconcebível, atípica a seres humanos que, por natureza, são agraciados com o amor de Deus.
     Muitos culpam o governo por haver tantas famílias em processo de destruição. Concordo em parte com essa afirmação e credito ao governo sua parcela de culpa. Entretanto, o maior culpado pelo o que há de errado na família somos nós próprios. Para se ter uma idéia da gravidade dessa situação, se nós não fizermos a nossa parte dentro de nosso lar, o governo não poderá entrar lá para fazer. Temos que ter a consciência de que as famílias são a base de um país. Famílias fortalecidas são sinônimo de um país próspero.
Voltando a questão da violência, vamos abordar a situação local. Vamos falar de nossa cidade São Sebastião, que no dia 03/04/2011, teve um domingo sangrento, com ocorrências de homicídios em alguns bairros. É aquela velha situação das brigas de nossos jovens envolvidos em gangues e tráfico de drogas. Esse problema já ficou tão banal que algumas pessoas já lidam com naturalidade quando há confronto entre as gangues e alguns de nossos jovens perdem o que há de mais precioso em si: a vida.
     Como sociedade civil organizada, temos que nos mobilizar para exigir o fim dessa situação que afeta a comunidade como um todo. Somos na grande maioria em São Sebastião, cidadãos e cidadãs de bem, pessoas cumpridoras de nossos deveres perante a lei. Não vamos aceitar que uma pequena parcela da população, que por algum motivo injustificável, prefere viver na criminalidade praticando os mais diversos ilícitos. Não vamos permitir que furtem os nossos sonhos, a nossa alegria de viver e a nossa paz.
     Ainda há uma luz no fim do túnel! Há esperança, sim. Temos sangue novo na força policial de nossa cidade. O Delegado-Chefe da 30º DP, Maurílio Rocha, e o Tenente-Coronel Lúcio César, comandante do 21º BPM, estão bastante empenhados e trabalhando diuturnamente com suas equipes de guerreiros e defensores da sociedade, para proporcionar ao nosso povo dias de paz e de tranqüilidade, que nossa gente tanto merece!
     A mensagem que o atuante Jornal Daqui deixa para a comunidade é a seguinte: amem mais uns aos outros, sejamos mais compreensivos, mais generosos, mais carinhosos, ajudemos mais o nosso próximo, vamos sorrir mais, dançar mais, cantar mais, praticar esportes, orar e rezar mais, abraçar mais, fazer trabalhos voluntários.  Então, estamos combinados. Tudo de bom e vamos fazer mais, mais, mais e muito mais, e assim mudaremos a realidade do nosso lar, do nosso bairro, do nosso Estado, do nosso País e até do mundo. Só o amor tem o poder de transformação, e crendo nisso vamos exercer em sua plenitude o amor que Jesus cristo cultivou em nosso coração ainda no ventre de nossa mãe. Ame a Deus e ame o seu próximo como a si mesmo e assim seremos felizes e viveremos num mundo de paz e harmonia.
Por Rumaldo Filho (Junior do Jornal Daqui)

Comentários