GDF lança o Programa DF Alfabetizado: meta é alfabetizar 65 mil até 2014.

O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, lançou o Programa DF Alfabetizado: juntos por uma nova história. A cerimônia foi realizada na manhã da última sexta-feira (08), no auditório da Escola de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação (EAPE). O evento contou com a presença do vice-governador Tadeu Fillippeli, da secretária de Educação Regina Vinhaes; do secretário adjunto de Educação do DF, Erasto Fortes, das secretárias Arlete Sampaio (Sedest) e Olgamir Amância (da Mulher), da diretora-geral da Polícia Civil do DF, Mailine Alvarenga. Também estiveram presentes representantes do Fórum EJA/GTPA DF, lideranças de entidades e movimentos populares do Distrito Federal e os deputados distritais Wasny de Roure (PT-DF) e Evandro Garla (PRB-DF), e a deputada federal Erika Kokay (PT-DF).

Segundo Erika Kokay, as populações das áreas do DF que historicamente foram desassistidas e negligenciadas pelo Estado durante décadas, terão a oportunidade ímpar de serem inseridas na vida social e política por meio das ações de alfabetização de jovens e adultos. “É absolutamente importante unirmos forças neste momento para que Brasília seja referência nacional no enfrentamento à miséria e à exclusão social, e para tanto, o caminho mais acertado é o da educação”, sentenciou.
Agnelo explicou que as ações do programa de erradicação do analfabetismo no DF trazem, entre outras estratégias, o trabalho conjunto e intersetorial entre as pastas do governo (Secretaria de Educação, Secretaria de Saúde, Segurança, Sedest, Codeplan, Secretaria da Mulher, Secretaria de Comunicação, Secretaria de Direitos Humanos, entre outras) e a Sociedade Civil Organizada (entidades sociais, sindicatos, associações comunitárias e igrejas).
“Esse programa, pelo tamanho do desafio que representa para Brasília, exigirá um esforço conjunto e concentrado de todos, a começar pela intensa mobilização da sociedade para conseguirmos promover a alfabetização de 10 mil pessoas com 15 anos ou mais por semestre, em turmas de 1° etapa do 1° segmento da EJA”, explanou Agnelo.
O governador apontou como prioridade de atendimento do programa neste primeiro momento, as áreas do DF que concentram baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) -Estrutural (DRE Guará), Itapoã (DRE Paranoá) e Sol Nascente/Por do Sol (DRE Ceilândia), com foco voltado para as mulheres que, segundo dados estatísticos, são as mais atingidas pela pobreza nessas áreas, e que geralmente são mães sem qualquer escolaridade que exercem funções de trabalho subalterno.
Segundo dados oficiais, o DF é, atualmente, a unidade da Federação que apresenta um dos menores índices de pessoas não escolarizadas do país. Cerca de 3,4%, número que equivale a 65 mil pessoas alijadas do direito à educação e à cidadania.  
Estratégias ousadas
Entre as estratégias que o programa lança mão, destacam-se:
- Criação de uma agenda territorial que monitore as ações de alfabetização e a continuidade em turmas da EJA;
- Celebração de convênio com instituições com larga experiência comprovada com o tema para apoio no desenvolvimento das ações de alfabetização e instituições de ensino superior;
- Promoção de cursos de formação de alfabetizadores por meio da Escola de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação (EAPE);
- Foco na territorialidade: as escolas serão incumbidas da efetivação de matrículas na própria área de abrangência da ação alfabetizadora;
- Utilização do Método Paulo Freire como caráter inovador e concepção libertadora de educação;
- Mobilização da sociedade civil organizada para realizar o censo da alfabetização, busca ativa do público-alvo e para ações coordenadas pela SEDF, GTPA-Fórum EJA/DF, além de uma intensa mobilização de educadores e agentes de educação de jovens e adultos para o fomento da ação alfabetizadora.
Novas perspectivas
Regina Vinhaes enalteceu a iniciativa do GDF e afirmou que este é um programa que tem o mérito de unir os vários segmentos da sociedade para o alcance de um objetivo comum: promover educação para aqueles que não tiveram oportunidade.
“Estamos lançando um dos mais importantes programas do governo Agnelo e vamos levar cidadania e novas perspectivas para os que foram privados do direito à educação”, assinalou a secretária.
Erasto Fortes resgatou a importância das ações dos movimentos sociais de educação popular no país e defendeu o fortalecimento das parcerias entre governo e sociedade civil organizada para a plena erradicação do analfabetismo para além da capital.
 “As nossas 640 escolas estão mais do que convocadas para abrirem as suas portas e abraçarem essa missão que tão honrosamente nos foi delegada”, destacou o secretário.
A subsecretária da Unidade de Administração Geral (UAG) da SEDF, Vânia Rego, apresentou o programa com as ações prioritárias, estratégias e a projeção de pessoas a serem alfabetizadas até 2014.
“O programa lança um grande desafio a todos nós. Um desafio que fez a sua opção ideológica de trabalhar com a metodologia do mestre Paulo Freire, e por isso mesmo se trata de uma iniciativa inovadora, pautada no ideal libertador da educação”, esclareceu Rego.
Para Renato Hilário dos Reis, Prof. Dr. da Faculdade de Educação da UnB, o evento foi um momento histórico e extremamente significativo do processo de alfabetização no DF, ação esta que foi iniciada por Paulo Freire de forma pioneira em 1964. “Vejo este momento como uma continuidade à vida de Freire por outros e por outras freireanas em atendimento às muitas exigências do século XXI e de sua contemporaneidade”, concluiu Hilário.
Depoimento
Eva Lopes, ex-aluna e hoje alfabetizadora do Centro de Cultura e Desenvolvimento do Paranoá e Itapoã (CEDEP), fez um relato da experiência durante o período em que foi alfabetizada, citou as dificuldades e os desafios quando teve os primeiros contatos com o mundo das letras e dos números, e enalteceu a importância da educação na vida das pessoas.
“Mostrar para as pessoas que elas carregam um grande potencial e os mesmos direitos enquanto cidadãs, talvez tenha sido o que de mais significativo eu tenha aprendido até aqui. Eu vi nos olhos de alguns alunos o quanto o domínio da leitura e da escrita representava para eles, o quanto a autoestima melhorou. Isso me faz abraçar a causa da educação como missão”, relembrou a educadora que considera o projeto [DF Alfabetizado] um meio fundamental de democratização do ensino.

Francisco Neri
Assessoria Parlamentar

Comentários